O Vento Perdido

        Vento Perdido foi escrito num dia atípico. Eu havia acordado de bom humor para ir trabalhar e comecei a pensar no texto durante minha pedalada para o trabalho. Chegando em minha mesa eu tinha 90% do texto pronto e só fiz digitar. É algo que apesar da rapidez com que foi concebido, soou importante para mim. 

 

Aconselho colocar bons fones de ouvido e ler o texto com o acompanhamento musical abaixo. Espero que curta!

 

     Não era o sangue em minhas mãos, nem a imobilidade do meu corpo que me assustavam. Minha cabeça explodia em pensamentos e eu não sabia lidar com aquela sensação. Não conseguia fazê-la parar num ponto fixo e estático. Era como se meu cérebro trabalhasse em alta velocidade e fluísse rapidamente como um rio após uma grande tempestade. O volume de pensamentos era tão grande que transbordava pelas margens da minha mente e não permitia que eu assimilasse tudo de forma eficiente. Continue reading “O Vento Perdido”